Motivos para a rescisão indireta do contrato de trabalho

A rescisão indireta do contrato de trabalho é uma ferramenta descrita na CLT capaz de contribuir para o trabalhador em situações específicas. Confira!

Constantemente, encontramos nos noticiários textos que destacam a decisão de um juiz favorável à rescisão indireta do contrato de trabalho. Em São Paulo, por exemplo, texto recente divulgado no site do TRT da 2ª região destaca uma sentença favorável a um trabalhador que teria sofrido retaliação no ambiente de trabalho após relatar um suposto erro médico que ocorreu em uma cirurgia.

As causas que motivam a decisão do magistrado são diversas, mas o objetivo é único: preservar ao profissional a justa indenização quando seus direitos não forem respeitados pelo empregador.

Mas o que isso significa na prática? Simples! Quando o caso se configura, o profissional tem o seu contrato de trabalho rescindido, recebendo ainda todos os benefícios estabelecidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Em resumo: é como se o profissional fosse demitido pela empresa sem justa causa. Dessa forma, consegue ter acesso, por exemplo, ao seguro-desemprego, assim como o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a multa de 40% sobre a quantia depositada pela empresa, entre outros benefícios estabelecidos pela legislação.

Dessa forma, o trabalhador que sofre perseguição no ambiente profissional, por exemplo, não precisa simplesmente pedir demissão e abrir mão de seus direitos indenizatórios para se livrar da agressão. Se a possível injustiça for legalmente comprovada, é possível se desligar da companhia e receber o que é previsto na legislação trabalhista. Por conta disso é que a situação é conhecida como rescisão indireta.

Motivos para a rescisão indireta

Apesar de muitos profissionais não conhecerem esse instrumento legal, a rescisão indireta do contrato de trabalho está prevista em lei, mais especificamente na CLT. Para facilitar o entendimento, reproduzimos abaixo a artigo que trata do tema, onde consta as hipóteses que configuram o caso.

“Art. 483 - O empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando:

a) forem exigidos serviços superiores às suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;

b) for tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;

c) correr perigo manifesto de mal considerável;

d) não cumprir o empregador as obrigações do contrato;

e) praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;

f) o empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

g) o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar sensivelmente a importância dos salários.

§ 1º - O empregado poderá suspender a prestação dos serviços ou rescindir o contrato, quando tiver de desempenhar obrigações legais, incompatíveis com a continuação do serviço.

§ 2º - No caso de morte do empregador constituído em empresa individual, é facultado ao empregado rescindir o contrato de trabalho.

§ 3º - Nas hipóteses das letras "d" e "g", poderá o empregado pleitear a rescisão de seu contrato de trabalho e o pagamento das respectivas indenizações, permanecendo ou não no serviço até final decisão do processo”.

Ainda na CLT, o assunto também é tratado no 407, que aborda atividades realizadas por menores que possam ser consideradas trabalhos prejudiciais para a “saúde, ao seu desenvolvimento físico ou a sua moralidade”.

Em seu parágrafo único, estabelece: “quando a empresa não tomar as medidas possíveis e recomendadas pela autoridade competente para que o menor mude de função, configurar-se-á a rescisão do contrato de trabalho, na forma do art. 483.”

O que fazer?

Caso o problema se enquadre em uma dessas situações estabelecidas pela legislação, o trabalhador tem como obter a rescisão indireta do contrato de trabalho. Isso não significa, porém, deixar o trabalho e pronto.

O primeiro passo é reunir todas as provas possíveis para comprovar o que realmente causou a decisão. Com as informações em mãos, torna-se necessário consultar um advogado trabalhista.

Com base na documentação, o profissional especializado conseguirá avaliar o caso concreto, indicando os próximos passos. Com a orientação certa, é possível informação a decisão para a empresa e, com isso, deixar de atuar na companhia.

Entretanto, lembre-se que cada passo deve ser direcionado pelo advogado. Dessa forma, o trabalhador conseguirá ter seus direitos preservados, agindo conforme a legislação estabelece.

Estar assessorado por um advogado especialista em Direito do Trabalho será um diferencial sempre que você estiver tendo direitos trabalhistas sonegados, uma vez que é o profissional que diariamente está à frente da defesa dos interesses de outros trabalhadores como você. 

Nosso escritório conta com mais de 30 anos de atuação na defesa dos seus direitos trabalhistas, com uma equipe de advogados em constante atualização, sem poupar esforços para o melhor acompanhamento e condução do seu processo.

Nos ajude a compartilhar conhecimento e compartilhe o nosso conteúdo sobre rescisão indireta do contrato de trabalho!

Queremos que toda população entenda de que forma pode garantir os seus direitos e, por essa razão, passamos a produzir vídeos de fácil compreensão para que você e outros trabalhadores estejam sempre bem informados. Acesse agora em nosso canal do YouTube.

Your cart

We value your privacy

We use cookies to customize your browsing experience, serve personalized ads or content, and analyze traffic to our site.