O que é Planejamento Sucessório?

A morte, embora seja uma das únicas certezas da vida, torna-se um tabu entre as pessoas e pouco ou nada se fala sobre a importância de realizar Planejamento Sucessório e evitar desavenças familiares no futuro. 

o-que-e-planejamento-sucessorio

Quando alguém falece, além de terem que lidar com a dor da perda de um familiar, as pessoas precisam ainda enfrentar os transtornos de não existir um planejamento prévio à sucessão dos bens

Esse tipo de planejamento não é destinado apenas àqueles que possuem empresa familiar, mas sim a todos que queiram planejar e organizar a sua sucessão, a fim de evitar futuros conflitos familiares e longas discussões judiciais.

Caso você queira também entender as diferenças entre inventário judicial e extrajudicial, neste vídeo do nosso canal do YouTube, a advogada Lisiane Amaro, explica, confira:

O que é Planejamento Sucessório?

Basicamente, é um conjunto de estratégias jurídicas em que, um advogado, especializado na área de Sucessões, auxilia como se dará o acesso ao patrimônio do falecido. 

Ou seja, em vida, você, que detém o patrimônio, estabelece como os seus sucessores terão acesso ao patrimônio herdado após a sua morte.

Existem diversas formas de pensar em um planejamento, por isso é necessário que se consulte um advogado especialista na área, para que o profissional analise o contexto e proponha as soluções possíveis. 

São alguns instrumentos que podem ser utilizados:

Doação de bens em vida

Respeitados os limites estabelecidos em lei, é uma forma de transmitir os bens ainda em vida. É possível, nesses casos, que o titular usufrua do bem até o seu falecimento e somente quando venha a falecer o bem passe, de fato, para o donatário.

Realização de testamento

Se existirem herdeiros necessários, o titular do patrimônio pode destinar 50% de todo o patrimônio para qualquer pessoa, mesmo sem vínculo familiar, ou instituição.

A lei refere que os outros 50% dos bens são obrigatoriamente dos herdeiros necessários, quando houver. Caso não existam herdeiros necessários, a pessoa pode destinar 100% do seu patrimônio em testamento.

Criação de uma holding familiar

É a criação de uma empresa em que os herdeiros são os sócios. Cada ação da holding familiar equivale a uma quota da herança.

Essas são apenas algumas possibilidades de planejamento sucessório e isso não significa que não se possa utilizar mais de uma estratégia para o mesmo caso. 

Há um posicionamento majoritário entre os especialistas de que a criação de uma holding familiar seja uma forma eficaz de solucionar qualquer conflito futuro, uma vez que a doação pode, dependendo de como for feita, ser revogada no futuro e, o testamento, corre o risco de ser anulado, caso não tenha sido realizado em conformidade com o que a lei determina, dependendo da situação. 

Mas as novas regras tributárias atribuídas às holdings familiares devem ser levadas em conta no momento da decisão, conforme cada caso, e por isso é importante que você seja assessorado por um advogado especialista em Direito Familiar e Sucessões

Qual a importância de planejar uma sucessão?

Por mais que seja um tema difícil para muitas pessoas, é importante dizer que planejar o destino dos seus bens possibilita a redução de custos fiscais, evita desentendimentos familiares e facilita o acesso ao patrimônio. 

Ou seja, é um instrumento que busca prevenir conflitos patrimoniais após o seu falecimento e ainda oportuniza economia, visto que possibilita uma divisão de bens mais estratégica e eficiente. 

Por meio do Planejamento da Sucessão você otimiza a transmissão de bens aos seus herdeiros, planejando custos e evitando desgastes emocionais desnecessários, além de definir questões como, por exemplo, a destinação do corpo após o falecimento.

Sabemos que o falecimento de um familiar, muitas vezes, desencadeia conflitos familiares decorrentes da divisão dos bens.

Com o planejamento da sucessão, esse desgaste pode ser evitado. 

Qual a importância de planejar uma sucessão quando se é sócio de uma empresa?

Esse é outro ponto importante, pois talvez seja o maior benefício do planejamento. Normalmente, quando um dos sócios de uma empresa vem a falecer, as quotas são transmitidas para os herdeiros legítimos, como filhos e cônjuge. 

Ocorre que, algumas vezes, os herdeiros não possuem as competências necessárias para gerir a empresa, ou, até mesmo, sequer possuem interesse na atividade empresarial e isso pode arruinar com o futuro dos negócios.

Por meio do planejamento, o sócio traça a melhor estratégia para a sucessão das suas cotas, ainda em vida, com o intuito de preservar a saúde financeira da empresa e, consequentemente, os herdeiros. 

O que precisamos ter em mente é a importância de pensar que, em vida, existem formas de distribuir o patrimônio para os herdeiros, organizando os gastos e despesas para esta finalidade.

Por que consultar um advogado cível para planejar a sua sucessão?

Como vimos, o planejamento sucessório é um instrumento de caráter preventivo que possibilita que muitos problemas futuros sejam evitados, em razão de organizar a vida patrimonial antecipadamente à morte. 

É necessário analisar detalhadamente qual das possibilidades é a mais adequada para o seu caso concreto e é aí que entra a importância de estar sendo assessorado por um advogado especialista na área

Nosso escritório é amplamente reconhecido pelos resultados positivos alcançados, devido à condução minuciosa da demanda do cliente, desde o seu primeiro atendimento, até o fim do processo.

Caso você queira conhecer todas as ações que temos experiência consulte aqui ou caso queira agendar agora mesmo uma consulta com um dos nossos advogados especialistas na área de Direito de Família e Sucessões clique aqui.

• Leia também:

Divórcio judicial e Extrajudicial: entenda as diferenças!

Entenda as diferenças entre inventário Judicial e Extrajudicial


Your cart
    Checkout